sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Romeu e Julieta

Após assitir "Romeu e Julieta" de Franco Zeffireli, não podia deixar de comentar sobre sua trilha sonora. Em meu outro blog, ( http://leoaoleu.blogspot.com/2008/12/velhos-tempos-belos-dias.html ) faço meu comentário sobre o filme e aqui me dediquei a publicar a tradução da letra da música tema, composta pelo genial Nino Rota.

"Deve existir
Um bom lugar
Só para nós e nosso amor,
Cheio de explendor
Um bom lugar, para viver
A vida...
Que eu sonhei viver só com você
Vou procurar irei achar
Um bom lugar
Só para nós
Me de a mão
Vamos sair, e procurar
Um bom lugar para ser feliz
Então o mundo há de saber
Que o nosso amor
Que o nosso amor
Não morrera jamais."

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

O retorno do Eu

Sou o que sou
E já não sei quem sou
nem se sou dono de mim.
Sou o que a vida toma,
O que o sol queima
E o que a chuva arrasta.
Sou a estrada de pedras,
que ferem os pés,
O pó do caminho.
Sou sombra da noite,
A uivo dos lobos,
O olhar do vampiro,
O sangue.
Sou a serpente desperta,
O bote certeiro,
Veneno da presa,
Agonia e dor.
Sou a carne nua,
Navalha que corta,
A noiva no asfalto.
Sou o céu encoberto
De nuvens de chumbo e paixão,
Raios de amor,
Tempestade do ser.
Sou caminho sem volta
A mente que vaga.
Sou o mar que revolta,
Na noite sem brilho
A água que fere
A pedra na praia.
Sou o frio que gela,
A alegria de existir.
Sou o sal que amarga
O doce mistério,
O olhar que penetra,
Na alma já morta.
Sou a lança que mata,
Instrumento de Jorge.
Sou de todos os Santos
Casa do que caça,
Filho de Aruanda.

(24/12/2008)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Nem a manhã

Poderei amar novamente
Como outrora,
Um dia amei.

Poderei sentir o amor
Como antes,
No tempo, senti.

Poderei querer você
Como no passado,
Pela vida, te quis.

Mas amarei seu amor
Nos olhos de alguém.
Quem?
A vida dirá.

Poderei viver outra vez
No espaço,
Ao léu, pelo caminho.

Que o passado ensinou.
Que o presente construiu.
Que na mente renovou.

Nada será como antes.
Nem mesmo eu,
Nem mesmo a vida,
Nem mesmo o amor.
Nem a manhã.

Mas mesmo assim,
Amarei seu amor
Cada vez mais,
Em mim;
No futuro.
(30/08/07)

domingo, 23 de novembro de 2008

Uma breve reflexão numa longa tarde de domingo.

Tente saber,
Das coisas que sei,
E te direi
que sabes bem mais
Do que imagino.
Saiba dizer,
As palavras que digo,
E ouvirás além
Do que eu mesmo,
Tenho ouvido.
Diga o que queres,
E até o que não queres,
E entenderei
Aquilo que sentes,
Que não sei sentir.
Ouve a voz que te fala,
No peito a gritar,
As memórias do tempo,
Tempo do novo,
De despertar.
O vento sopra leve e o sol é indiferente.
A noite já vem e sigo comigo.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

TaLL e QuaL

Quem és tu que, TALL qual o sol surge por sobre o mar, ilumina o dia de quem contigo encontra?
Quem sois vós que, no meio de nós, faz soar a voz das cordas dedilhadas que alegra o existir?
Quem és que, por ser atemporal, move o tempo como o vento move as areias e as ondas?
Quem és que, TALL como a lua, pode passar por várias fases mas é sempre igual na essência?
Quem és tu que, me traz a lembrança do tempo criança em que na terra de Jorge vivi?
Quem és tu que , mesmo longe pelo tempo e a distância, faz com que tudo seja TALL como sempre foi, desde sempre.

Felizes somos nós por termos vivido tempos felizes em que não nos dávamos conta de que assim eram.
Felizes somos, pois a história não deixa esquecer que as coisas são TALL como são. E é!!!